Artigo

    

Aprenda a trabalhar com memória flash

Os elegantes tablets e smartphones da atual geração digital abrigam memória Flash, que economiza espaço e energia. Neste artigo, explicamos suas características e sugerimos sistemas apropriados para o Linux.


Por Michael Opdenacker


Computadores mais antigos com discos e ventoinhas cada vez mais têm sido escondidos em centros de dados, blindados pela nuvem. Desta forma, os usuários não notam quanto calor produzem ou quanto barulho eles fazem. E novos computadores como smartphones e tablets permeiam muitas áreas da vida atualmente: afinal, são dispositivos móveis, silenciosos e eficientes em termos de energia.


Uma razão pela qual são mais eficientes vem do fato de que sistemas de armazenamento embarcado utilizam chips em vez de discos rotativos. Memória Flash em estado sólido não possui partes móveis e é, portanto, muito robusta por não possuir estresse mecânico. Além disso, a memória sem disco acessa os dados desejados mais rapidamente por não exigir um cabeçote em movimento.


Um dispositivo sem disco também produz menos calor, tornando desnecessário o barulho provocado pela vetoinha. Neste artigo, descreveremos alguns sistemas de arquivos Linux e ferramentas que operam com uma enorme variedade de dispositivos de armazenamento Flash suportados pelo Linux.


Armazenamento Flash


O armazenamento Flash, também chamado de “estado sólido” (solid state), possui muitas vantagens em relação ao armazenamento rotativo (rotating storage). Em primeiro lugar, a ausência de peças mecânicas e em movimento elimina o ruído, aumenta a resistência e segurança a choques e vibrações, e reduz a dissipação de calor e consumo de energia. Segundo, o acesso aleatório a dados é muito mais rápido, pois já não é preciso mover um cabeçote de disco para o local correto no dispositivo, o que pode levar alguns milissegundos.



Figura 1 O bloco grande no meio do computador de placa única BeagleBoard é um sistema OMAP-on-a-chip da Texas Instruments, sob o qual o Flash NAND é montado.


O Flash também tem suas deficiências. Primeiro, pelo mesmo preço, temos apenas um décimo da capacidade de armazenamento. Segundo, escrever armazenamento Flash possui restrições especiais; não podemos escrever para o mesmo local de um bloco Flash várias vezes sem apagar todo o bloco, chamado de “bloco de apagar” (erase block). Esta restrição também pode fazer com que a velocidade de escrita seja muito menor que a de leitura. Terceiro, os blocos Flash podem suportar apenas um número limitado de erases – de alguns milhares de chips NAND mais densos a um milhão, no máximo. Hardware e software, portanto, precisam espalhar as operações de escrita em um processo conhecido como “nivelamento de desgaste” (wear leveling).


NAND/NOR


A memória Flash NOR (Not OR), que nomeia as portas usadas no chip, foi o primeiro tipo de armazenamento Flash inventado. O NOR é conveniente pois a CPU pode acessar qualquer byte diretamente e em ordem aleatória. Deste modo, o processador pode executar o código diretamente da NOR, permitindo que seja utilizado em bootloaders, e não necessita ser copiado para a RAM antes de ser executado.


O tipo mais popular de armazenamento é a memória Flash NAND (Not AND) (figura 1), que oferece maior capacidade de armazenamento ao menor preço. A desvantagem é que, como um dispositivo externo, o armazenamento NAND está conectado via controlador, através do qual é possível acessar os dados. A CPU não pode executar código da NAND sem copiar o código para a memória RAM primeiro. Outra restrição é que os dispositivos Flash NAND podem possuir blocos defeituosos (bad blocks) fora da caixa, exigindo soluções de hardware ou software que funcionam em torno desta limitação durante a operação.


Dois tipos de armazenamento Flash NAND estão disponíveis hoje. O primeiro tipo emula um bloco padrão de interface e contém um hardware “Flash Translation Layer” (camada de tradução Flash) que cuida de apagar blocos e implementar nivelamento de desgaste, assim como o gerenciamento de blocos defeituosos. Dispositivos deste tipo incluem drives USB Flash, cartões de mídia, cartões multimídia embutidos (eMMCs), e discos de estado sólido (da sigla SSDs, de solid state disks). O sistema operacional não tem controle sobre a forma como são geridos os setores Flash pois só considera um dispositivo emulado de bloco.


Embora esta abordagem reduza a complexidade do software do lado do sistema operacional, os fabricantes de hardware costumam manter em segredo os algoritmos da camada de tradução Flash, deixando os desenvolvedores de sistemas sem alternativas para verificar e ajustar estes algoritmos ou corrigir implementações pobres.



Figura 2 A arquitetura MTD do kernel Linux permite o gerenciamento independente de hardware de armazenamento Flash.


O segundo tipo de memória NAND é a raw Flash. O sistema operacional tem acesso ao controlador de Flash e pode gerenciar diretamente seus blocos. O raw Flash pode usar um “block erase count” para determinar com qual frequência um bloco tem sido sobrescrito. O kernel Linux implementa um subsistema Memory Technology Device (MTD) que permite o acesso e controle de vários tipos de dispositivos Flash com uma interface comum (figura 2).


Partições


Acesso bruto (raw access) significa que nenhum sistema de arquivo é necessário, a menos que o usuário deseje armazenar muitos arquivos; um único e grande arquivo binário é suficiente para alguns aplicativos. Dispositivos MTD geralmente são particionados para definir áreas com fins específicos, como o gerenciador de inicialização (bootloader) ou o sistema de arquivos raiz. Acessar as partições e o armazenamento raw flash é algo semelhante a acessar dispositivos brutos do bloco (raw block devices) através de arquivos de dispositivos (por exemplo, todo o dispositivo com /dev/sda ou partições com /dev/sda1, /dev/sda2, etc.


Declarar partições somente leitura (da sigla RO, de read-only) pode proteger o sistema contra erros e tentativas de modificação não autorizadas. Observe também que as partições não podem ser ignoradas, acessando todo o dispositivo como compensação, uma vez que o Linux não possui nenhum arquivo de dispositivo para este tipo de acesso.


A figura 3 mostra um esquema de particionamento típico. Em contraste com os discos rígidos, a tabela de partição não é salva no ambiente MTD – um local inseguro por conta dos blocos potencialmente ruins. Em vez disso, uma estrutura de dados no kernel Linux define as partições.


A listagem 1 mostra o excerto relevante do arquivo arch/arm/mach‐OMAP2/board-OMAP3Beagle.c, que define as partições para o Flash NAND na BeagleBoard. Felizmente, podemos substituir estas configurações padrão sem necessidade de recompilar o kernel. Para identificar o nome do dispositivo MTD, percorra as mensagens de inicialização do kernel. Neste exemplo de BeagleBoard, a listagem 2 mostra que o nome do dispositivo NAND é omap2-nand.0.


Logo que o nome do dispositivo é conhecido, o parâmetro de boot mtdparts passa no particionamento com (tudo em uma única linha):


mtdparts=omap2‐nand.0:128k(X‐Loader)ro,256k(U‐Boot)ro,128k(Environment),4m(Kernel)ro,32m(RootFS)ro,‐(Data)

O código acima define seis partições:


» Primeiro estágio do bootloader (128KB, RO) » Bootloader U-Boot (256KB, RO) » Variáveis de ambiente U-Boot (128KB) » Kernel Linux (4MB, RO) » Sistema de arquivos raiz (16MB, RO) » Dados (espaço de armazenamento restante)


O tamanho da partição deve ser um múltiplo do tamanho do erase block, que pode ser encontrado no sistema de destino em /sys/class/mtd/mtdx/erasesize. Os tamanhos das partições recém-criadas, que o usuário pode ver em /proc/mtd estão em hexadecimal (listagem 3).


Nomes de arquivos para partições de dispositivo de bloco se referem ao nome completo do dispositivo (por exemplo, /dev/sda1 para a primeira partição /dev/sda), mas note que as partições MTD são mostradas como dispositivos MTD independentes; portanto, o mtd1 poderia ser a segunda partição do primeiro dispositivo Flash ou a primeira partição do segundo dispositivo Flash. Não é possível perceber a diferença de nomes dos dispositivos.


A partição "Environment” é onde as variáveis de ambiente U-Boot bootloader são armazenadas. Estas variáveis podem ser alteradas a partir do U-Boot Shell mas também a partir do Linux, piscando (flashing) uma nova imagem para a partição. Os desenvolvedores da Free Electrons têm contribuído de forma bastante útil para gerar tal imagem [1].


Manipulação de dispositivos MTD


Os dispositivos MTD podem ser endereçados através de duas interfaces. A primeira utiliza o identificador (letra) do dispositivo dev/mtd//N// (onde N é o número do dispositivo MTD) e o driver mtdchar. Em particular, este identificador fornece os comandos ioctl, que são geralmente utilizados por mtd-utils para manipular e apagar blocos de um dispositivo MTD. A segunda interface fornece o dispositivo de bloco dev/mtdblock//N// e o driver mtdblock. Este dispositivo é usado principalmente para montar sistemas de arquivos MTD, como JFFS2 e YAFFS2, pois o comando mount só funciona com dispositivos de bloco.


Embora possamos ser tentados a usar este dispositivo para gravar no MTD, o driver correspondente não é sofisticado o suficiente para uso em produção por não suportar nivelamento de desgaste; uma série de gravações para a mesma parte do dispositivo de bloco poderia danificar muito rapidamente os correspondentes erase blocks. Pior, se copiarmos uma imagem de sistema de arquivos para /dev/mtdblock//N//, o sistema de arquivos poderia ser corrompido pois os blocos danificados não são levados em conta. Portanto, a maneira ideal de manipular dispositivos MTD é através do identificador de interface (character interface) e mtd-utils [2].


Os comandos mais importantes são:


» mtdinfo: informações detalhadas sobre um dispositivo MTD » flash_eraseall: apaga por completo um dado dispositivo MTD » flashcp: escreve para Flash NOR » nandwrite: escreva para Flash NAND » Utilitários UBI (veja o tópico “UBI e UIFS”) » mkfs.jffs2, mkfs.ubifs: ferramentas de criação de imagem de sistema de arquivo Flash


Estes comandos estão disponíveis através do pacote mtd‐utils em distribuições GNU/Linux e também podem ser compilados de forma cruzada (cross-compiled) a partir da fonte por sistemas embarcados Linux, tais como o BuildRoot [3] e o OpenEmbedded [4]. Simples implementações dos comandos mais comuns também estão disponíveis no BusyBox [5], tornando muito mais fácil de fazer a compilação cruzada em sistemas embarcados menos complexos.


JFFS2


O Journaling Flash File System versão 2 (JFFS2) [6], que foi adicionado ao kernel Linux em 2001, é um sistema de arquivos muito popular para o armazenamento Flash. Como é esperado para um sistema de arquivos Flash, ele implementa a detecção e gestão do bloco danificado, bem como o nivelamento de desgaste. Também é projetado para ficar em um estado consistente após falhas abruptas de energia e quebras do sistema. Por último, mas não menos importante, o JFFS2 também armazena dados compactados.


Diversos esquemas de compressão estão disponíveis de acordo com o que é mais importante: desempenho para ler/escrever ou taxa de compressão. Por exemplo, o zlib comprime melhor que o lzo, mas também é muito mais lento.


A implementação de arquivos de sistemas em Flash possui restrições especiais. Para modificar um arquivo existente, não podemos simplesmente copiar os blocos correspondentes para a RAM, apagá-los e piscar (flash) os blocos com a nova versão. Primeiro, uma falha de energia durante este procedimento poderia causar perda de dados irrecuperáveis. Segundo, podemos rapidamente desgastar blocos específicos, fazendo várias atualizações para o mesmo arquivo.


Uma alternativa seria escrever os novos dados para um novo bloco e atualizar os indicadores (pointers) para os dados antigos. Contudo, isto implicaria outra escrita, que poderia provocar outras modificações até que a referência root fosse alcançada.


O JFFS2 resolve estes problemas com uma abordagem de log estruturado [7]. Cada arquivo é mapeado para um nó com dados e metadados, e cada nó tem um número de versão associado. Em vez de fazer alterações locais, a ideia é escrever uma versão mais recente do nó em outra parte do erase block com espaço livre. Isto simplifica as operações de escrita, mas complica as operações de leitura, pois o sistema de arquivos precisa localizar o nó mais recente.



Figura 3 O armazenamento MTD é normalmente dividido em partições graváveis e somente leitura.


Para otimizar o desempenho, o JFFS2 mantém um mapa de memória dos nós mais recentes para cada arquivo; no momento da montagem, digitaliza os nós, cria e armazena o mapa. Uma vez que o tempo de montagem do JFFS2 é proporcional ao número de nós, sistemas embarcados utilizando JFFS2 em grandes partições Flash poderão incorrer em enormes sanções no momento de inicialização. Felizmente, foi adicionada uma opção do kernel CONFIG_JFFS2_SUMMARY que confere ao Linux o armazenamento do mapa entre as ações de montagem no dispositivo Flash, reduzindo drasticamente o tempo de montagem. No entanto, esta opção não é ativada por padrão.


Nós mais velhos devem ser recuperados em algum ponto para manter o espaço livre para novas escritas. Um nó é criado como “válido” e é considerado “obsoleto” quando uma nova versão é criada. O JFFS2 gerencia três tipos de blocos Flash:


» Blocos limpos, que contêm apenas nós válidos » Blocos sujos, que contêm pelo menos um nó obsoleto » Blocos livres, que não contêm nenhum nó


O JFFS2 executa um coletor de lixo em segundo plano, que recicla blocos sujos transformando-os em blocos livres. Faz isso através do recolhimento de todos os nós válidos em um bloco sujo e os copia para um bloco limpo (com o espaço que restar) ou para um bloco livre. O antigo bloco sujo é então apagado e marcado como livre. Para fazer todos os erase blocks participarem do nivelamento de desgaste, o coletor de lixo ocasionalmente também consome blocos limpos.


Há duas maneiras de criar uma partição JFFS2. A primeira é apagar a partição, formatá-la para JFFS2, e depois montá-la:


flash_eraseall ‐j /dev/mtd2
mount ‐t jffs2 /dev/mtdblock2 /mnt/flash

o flash_eraseall e o -j apagam a partição do Flash e os formata para JFFS2. A segunda opção é geralmente uma melhor combinação para o fluxo integrado de trabalho do desenvolvedor pois cria a imagem JFFS2 no computador desktop e escreve a imagem na partição. Para criar a imagem, use o comando mkfs.jffs2 fornecido pelo mtd-utils, mas não se confunda com seu nome: ao contrário de alguns outros comandos mkfs, ele não cria um sistema de arquivos, mas uma imagem de sistema de arquivos.


O comando seguinte cria um arquivo de imagem com o nome rootfs.jffs2. Para este exemplo, vamos assumir que o tamanho do erase block é de 256MB.


mkfs.jffs2 ‐‐pad ‐‐no‐cleanmarkers ‐‐eraseblock=256 ‐d rootfs/ ‐o rootfs.jffs2

O parâmetro -d indica o diretório com o conteúdo desejado para o sistema de arquivos e o --pad cria uma imagem que é de tamanho múltiplo ao do erase block; o ‐‐no‐cleanmarkers só deve ser utilizado para o Flash NAND. Para formatar a partição alvo e escrever a imagem, utilize:


flash_eraseall /dev/mtd2
nandwrite ‐p /dev/mtd2 rootfs.jffs2

Se a imagem é menor que a partição, o JFFS2 ainda pode utilizar todo o espaço posteriormente, fornecido pela partição que foi completamente apagada anteriormente. Para preparar dispositivos de produção, é muito mais conveniente escrever as partições MTD do bootloader, utlizando um comando que pode lidar com os blocos danificados sem inicializar o Linux. Desta forma, utilitários de desenvolvimento como o flash_eraseall não precisam estar na raiz do sistema de arquivos Linux, que é outra razão pela qual as imagens do sistema de arquivos são úteis.


Normalmente, baixamos a imagem do sistema de arquivos para a memória RAM e copiamos a imagem para o Flash. Quando fazemos isso, apenas temos que nos certificar de haver copiado o tamanho exato da imagem. Com as imagens JFFS2, se copiarmos mais bytes da RAM para o Flash, acabaremos escrevendo bytes aleatórios no final da imagem, o que irá corromper o sistema de arquivos.


YAFFS2


Uma alternativa ao JFFS2 é o YAFFS2 [8] (sigla para Yet Another Flash Filesystem) encontrado em smartphones com as primeiras versões do Android. O YAFFS2 não usa compressão, mas apresenta tempos de montagem muito mais rápidos, bem como melhor desempenho de escrita e leitura. O código é duplamente licenciado, sob o GPL e uma licença proprietária (ou seja, GPL para uso no kernel Linux e a licença para sistemas operacionais proprietários). A receita da licença proprietária tem financiado seu desenvolvimento.


O YAFFS2 é menos popular que o JFFS2, provavelmente por não fazer parte do planejamento do kernel Linux. Em vez disso, está disponível como um patch externo com um conjunto de scripts auxiliares. Um esforço foi feito para tê-lo na linha de frente cerca de um ano atrás, mas esta tentativa falhou pois as alterações solicitadas pelos mantenedores do kernel teriam quebrado a portabilidade para outros sistemas operacionais.


Depois de fazer o patch do kernel, o usuário pode criar um novo sistema de arquivos YAFFS2 com o comando:


flash_eraseall /dev/mtd2

O sistema de arquivos é formatado automaticamente na primeira montagem:


mount ‐t yaffs2 /dev/mtdblock2/mnt/flash

Outra opção consiste em utilizar a ferramenta mkyaffs, dos utilitários YAFFS2 [9].


UBI e UBIFS


O JFFS2 e o YAFFS2 têm um problema em comum: eles implementam o nivelamento de desgaste, restringindo-o a partições individuais. No entanto, os níveis de utilização podem ser muito diferentes. Partições são montadas muitas vezes no modo somente leitura, enquanto as partições de dados estão expostas a muitas escritas – razão pela qual são conhecidas como partições “quentes”. Para evitar o desgaste de partições quentes muito rapidamente, todas as áreas da memória Flash precisam participar do nivelamento de desgaste. Isto é exatamente o que o projeto Unsorted Block Images (UBI) oferece.


O UBI é uma camada acima do MTD que gerencia erase blocks e bad blocks e implementa o nivelamento de desgaste, tirando estas tarefas dos ombros do sistema de arquivos. O UBI também suporta partições ou volumes flexíveis, que podem ser criados e redimensionados dinamicamente, parecido com o que o Logical Volume Manager opera para dispositivos de bloco.


O UBI implementa o Logical Erase Blocks (LEBs), que o mapeia para o Physical Erase Blocks (PEBs) (figura 4). Camadas superiores, tais como sistemas de arquivos, apenas visualizam os LEBs. Se uma LEB visualiza muita ação, o UBI pode trocar os ponteiros, substituindo o PEB “quente” por um “frio”. Este mecanismo requer alguns PEBs livres para trabalhar de forma eficiente, e a sobrecarga faz a UBI menos apropriada para dispositivos menores com apenas alguns megabytes de espaço.


Um sistema de arquivos para UBI, chamado UBIFS, foi criado pelo projeto MTD Linux como sucessor do JFFS2. O UBIFS suporta a compressão e apresenta desempenhos de mount, escrita e leitura muito melhores. No Linux, o UBI e o UBIFS são iniciados com alguns comandos. Primeiro, o root precisa montar o diretório do dispositivo como um pseudo sistema de arquivos devtmpfs. O comando


ubiformat /dev/mtd1

exclui uma partição Flash sem precisar reiniciar a contagem erase (erase count). Para habilitar o UBI na partição MTD, digite:


ubiattach /dev/ubi_ctrl ‐m 1

Isto cria uma nova identidade (letra) para o dispositivo, /dev/ubi0. Agora podemos criar um ou vários volumes sobre o dispositivo,


ubimkvol /dev/ubi0 ‐N test ‐s 116MiB
ubimkvol /dev/ubi0 ‐N test ‐m

onde o -m é o tamanho máximo disponível. Para montar um sistema de arquivos UBIFS vazio no novo volume de teste, insira


mount ‐t ubifs ubi0:test /mnt/flash

e para popular o sistema de arquivos com os arquivos. Uma abordagem alternativa é primeiro criar uma imagem do sistema de arquivos UBIFS com o comando mkfs.ubifs e copiar a imagem com ubiupdatevol. Outra abordagem é criar uma imagem de todo o espaço UBI, que pode ser escrito do bootloader com o comando que pode lidar com blocos danificados (bad blocks). Para fazer isso, primeiro crie um arquivo ubi.ini descrevendo o espaço UBI, seus volumes e seus conteúdos. Um exemplo é mostrado na listagem 4.


Este arquivo descreve quais volumes devem ser criados, juntamente com seus tamanhos. A imagem UBI é criada com o comando


ubinize ‐o ubi.img ‐p 128KiB ‐m 4096 ubi.ini

que também especifica erase blocks físicos 128KB e um tamanho mínimo de I/O de 4096 bytes. Para transferir a imagem, use uma ferramenta bootloader que possa lidar com os bad blocks. Além disso, a linha de comando do kernel precisa da opção ubi.mtd=1 (equivalente ao ubiattach).


Se quiser que o UBIFS controle a partição root, adicione


rootfstype=ubifs root=ubi0:rootfs

ao comando boot.


LogFS


O LogFS [10] é outro sistema de arquivos estruturado em log para a memória Flash que possui um design inovador e tem sido parte principal do kernel Linux desde a versão 2.6.34. O inovador sistema de arquivos poderia ter influência sobre o UBIFS mas, infelizmente, mostrou-se instável, causando problemas no kernel no momento de desmontagem, quando testado pela Free Electrons. Graças à integração com o kernel Linux oficial, há boas chances de que o desenvolvedor venha a resolver estes problemas.


SquashFS


Partições somente leitura podem usar o sistema de arquivos de blocos SquashFS em dispositivos MTD. Copiar uma imagem SquashFS diretamente para o dispositivo /dev/mtdblock//N// funciona bem – afinal, não temos que nos preocupar com o nivelamento de desgaste – até encontrar bad blocks no dispositivo. Mais uma vez, o driver mtdblock não pode lidar com bad blocks, então outra solução se faz necessária.



Figura 4 O UBI gerencia volumes lógicos da mesma forma que o Logical Volume Manager, garantindo desgaste equilibrado entre os blocos físicos.


Uma possibilidade consiste em utilizar o driver gluebi, que emula um dispositivo MTD em cima de um volume UBI. Como o UBI descarta bad blocks, o mdtblock pode agora ser usado com segurança.


Uma segunda possibilidade é usar o driver ubiblk, que implementa um dispositivo de bloco somente leitura diretamente acima da UBI. A Free Electrons apresentou o ubiblk à Linux Kernel Mailing List [11], mas ainda não foi considerado (mainlined). Os benchmarks mostram que o ubiblk é uma solução eficiente, por não precisar emular um dispositivo intermediário MTD.


Benchmarks


Com financiamento da Linux Foundation, a Free Electrons testou o desempenho de vários sistemas de arquivos Flash em diferentes versões do kernel. Os resultados (figura 5) estão descritos online [12]. Em resumo, o JFFS2 teve o pior desempenho e deve ser compilado com CONFIG_SUMMARY para um tempo de inicialização aceitável. No entanto, o JFFS2 ainda é a melhor promessa para dispositivos com partições Flash pequenas que necessitam de compressão e onde o UBI teria muita sobrecarga. Esta é a razão pela qual o JFFS2 ainda está em uso no OpenWRT, uma distribuição focada principalmente em dispositivos embarcados, como gateways residenciais e roteadores, geralmente com 4MB a 16MB de armazenamento Flash.


Graças a melhorias nos últimos anos, o YAFFS2 apresenta desempenho muito bom, senão o melhor, em muitos cenários de teste. No entanto, a falta de compressão continua sendo uma desvantagem, assim como sua ausência no kernel Linux. O YAFFS2 também mostra problemas de desempenho incomuns na gestão de diretórios. O UBIFS é agora a melhor solução em termos de desempenho e espaço. A necessidade de espaço adicional será um problema somente em partições muito pequenas. A implementação também requer um pouco mais de trabalho do que os outros candidatos.


No momento da publicação deste artigo, o LogFS ainda é muito experimental para ser usado em sistemas de produção, embora possamos esperar que seus bugs sejam corrigidos com o tempo. O SquashFS exibe boa compressão e tempo de mount, assim como desempenho de leitura no Flash MTD em sistemas com partições somente leitura. A necessidade de parear o SquashFS com o UBI, no entanto, compromete o desempenho do tempo de mount. Em sistemas de arquivos de bloco, o SquashFS exibe o melhor tempo de mount, mas perde muito tempo com a UBI, o que leva a uma quantidade substancial de tempo para inicializar (a operação ubiattach).


A boa notícia é que é muito barato mudar sistemas de arquivos. Os aplicativos nem sequer notarão a diferença. Como os benchmarks mostram, podemos obter resultados de desempenho notável, dependendo do tamanho e número das partições e arquivos, da leitura e escrita padrões do sistema, e da necessidade de compressão. Tudo o que o usuário precisa fazer é tentar vários sistemas de arquivos, executar seus aplicativos e testes de sistema, e manter a solução que maximiza o desempenho do seu sistema particular.


Sovinas


A memória Flash em seu estado natural (raw) oferece aos desenvolvedores de sistemas embarcados muitas oportunidades de otimização. A tendência entre os fabricantes de hardware, no entanto, está longe da memória flexível NAND incorporada ao MMC. Estas superfícies montadas de cartões de memória usam uma interface mais parecida com a de uma placa externa. Elas escondem os detalhes dos blocos ruins e de nivelamento de desgaste do sistema operacional. Por serem muito acessíveis, provavelmente irão derrubar o Flash mais caro.



Figura 5 Tempo de CPU necessário para montar sistemas de arquivos. As longas barras vermelhas mostram o demorado processo de mount no JFFS2.


 


Felizmente, o eMMC não é totalmente opaco. Arnd Bergmann, desenvolvedor do kernel, escreveu uma ferramenta chamada Flashbench [13] que permite determinar experimentalmente as características da mídia de armazenamento, tais como o tamanho dos blocos de apagar. Com a ajuda destes resultados, podemos também otimizar os parâmetros do sistema de arquivos que estivermos utilizando. Bergmann descreve seu trabalho em um artigo online [14].


Conselhos finais


Algumas simples regras de ouro são necessárias para trabalhar com memória Flash, incluindo não criar uma partição swap em Flash. Sempre que possível, devemos montar partições somente leitura. Dados voláteis, tais como arquivos de log, podem ser mantidos na memória RAM, usando o pseudo sistema de arquivos tmpfs.


Mais informações


[1] Image tool for U-Boot environment: http://free-electrons.com/blog/mkenvimage-uboot-binary-env-generator/
[2] mtd-utils: http://git.infradead.org/mtd-utils.git
[3] BuildRoot: http://buildroot.uclibc.org/
[4] OpenEmbedded: http://www.openembedded.org/
[5] BusyBox: http://www.busybox.net/
[6] JFFS2: http://www.linux-mtd.infradead.org/faq/jffs2.html
[7] Log-structured filesystem: http://en.wikipedia.org/wiki/Log-structured_file_system/
[8] YAFFS2: http://www.yaffs.net/
[9] yaffs2utils: http://code.google.com/p/yaffs2utils/
[10] LogFS: https://github.com/prasad-joshi/logfs/
[11] biblk: Read-only block layer on top of UBI: https://lkml.org/lkml/2011/6/24/122/
[12] Flash filesystem benchmarks: http://elinux.org/Flash_Filesystem_Benchmarks/
[13] Flashbench benchmark tool: http://git.linaro.org/gitweb?p=people/arnd/flashbench.git;a=summary
[14] “Optimizing Linux with Cheap Flash Drives” by Arnd Bergmann, http://lwn.net/Articles/428584/


 


Listagem 1: Partições definidas no kernel


01 static struct mtd_partition omap3beagle_nand_partitions[] = {
02 /* All the partition sizes are listed in terms of NAND block size */
03 {
04 .name = "X-Loader",
05 .offset = 0,
06 .size = 4 * NAND_BLOCK_SIZE,
07 .mask_flags = MTD_WRITEABLE, /* force read‐only */
08 },
09 {
10 .name = "U‐Boot",
11 .offset = MTDPART_OFS_APPEND, /* Offset = 0x80000 */
12 .size = 15 * NAND_BLOCK_SIZE,
13 .mask_flags = MTD_WRITEABLE, /* force read‐only */
14 },
15 {
16 .name = "U‐Boot Env",
17 .offset = MTDPART_OFS_APPEND, /* Offset = 0x260000 */
18 .size = 1 * NAND_BLOCK_SIZE,
19 },
20 {
21 .name = "Kernel",
22 .offset = MTDPART_OFS_APPEND, /* Offset = 0x280000 */
23 .size = 32 * NAND_BLOCK_SIZE,
24 },
25 {
26 .name = "File System",
27 .offset = MTDPART_OFS_APPEND, /* Offset = 0x680000 */
28 .size = MTDPART_SIZ_FULL,
29 },
30 };


Listagem 2: Mensagens de inicialização


01 omap2‐nand driver initializing
02 ONFI flash detected
03 NAND device: Manufacturer ID: 0x2c, Chip ID: 0xba (Micron NAND 256MiB 1,8V 16‐bit)
04 Creating
5 MTD partitions on "omap2‐nand.0": 05 0x000000000000‐0x000000080000 : "X‐Loader"
06 0x000000080000‐0x000000260000 : "U‐Boot"
07 0x000000260000‐0x000000280000 : "U‐Boot Env"
08 0x000000280000‐0x000000680000 : "
09 0x000000680000‐0x000010000000 : "File System"


Listagem 3: /proc/mtd


01 dev: size erasesize name
02 mtd0: 00020000 00020000 "X‐Loader"
03 mtd1: 00040000 00020000 "U‐Boot"
04 mtd2: 00020000 00020000 "Environment"
05 mtd3: 00400000 00020000 "Kernel"
06 mtd4: 02000000 00020000 "File System"
07 mtd5: 0dbc0000 00020000 "Data"


Listagem 4: ubi.ini


01 [RFS‐volume]
02 mode=ubi
03 image=rootfs.ubifs
04 vol_id=1
05 vol_size=30MiB
06 vol_type=dynamic
07 vol_name=rootfs
08 vol_flags=autoresize
09 vol_alignment=1

Notícias

Certificações LPI: o caminho para turbinar a sua carreira

Publicado em: 13/10/2017 às 15:50 | leituras |

O Linux Professional Institute (LPI) oferecerá provas de certificação na Latinoware, em Foz do Iguaçu, em outubro, na Poticon, em Natal e no FGSL em novembro. Fique antenado! Este artigo elenca as últimas novidades sobre o LPI.

Blog do maddog: Ambientes de nuvem privada virtual

Publicado em: 06/10/2017 às 14:09 | leituras |

O Subutai é uma solução de nuvem de código aberto, ponto a ponto (P2P), segura e estável, que cria ambientes de nuvem privada virtual (VPC) para usuários finais usando um modelo de nuvem de contêineres como serviço (CaaS). O usuário final pode instalar qualquer tipo de serviço, aplicativo ou software de infraestrutura que desejar nas máquinas em execução nessa nuvem.

Ambientes de nuvem privada virtual

Publicado em: 06/10/2017 às 13:23 | leituras |

O Subutai é uma solução de nuvem de código aberto, ponto a ponto (P2P), segura e estável, que cria ambientes de nuvem privada virtual (VPC) para usuários finais usando um modelo de nuvem de contêineres como serviço (CaaS). O usuário final pode instalar qualquer tipo de serviço, aplicativo ou software de infraestrutura que desejar nas máquinas em execução nessa nuvem.

4Linux abre vagas para Líder Técnico em São Paulo e Brasília

Publicado em: 25/07/2017 às 14:12 | leituras |

A 4Linux — uma empresa líder em soluções Open Source e em práticas DevOps — está procurando profissionais para trabalhar como gerente técnico, que tenha bons conhecimentos em Linux e Softwares Livres. São duas vagas: uma para trabalhar em Brasília e outra para São Paulo.

Seminário sobre gestão de privilégios do Linux dá direito a certificado CPE

Publicado em: 23/05/2017 às 10:35 | leituras |

O evento irá abordar a forte disseminação de sistemas Linux em toda a estrutura de informação e mostrará a importância de técnicos da área serem capazes de identificar rotas, especificar controles de acesso para usuários Linux e monitorar a atividade privilegiada do usuário ao longo da rede de informação e, especialmente, na complexidade da nuvem. Participantes poderão requerer gratuitamente os créditos de CPE (Continuing Professional Education).


Mais notícias

lançamento!

LM 119 | Backup e Restauração




Impressa esgotada
Comprar Digital  R$ 10,90 Digital

  1. Soluti Certificação Digital em busca de especialista Linux

    Publicado em 19/04/2017 às 17:18 | 466990 leituras

  1. Baixe o curso de shell script do Julio Cezar Neves

    Publicado em 07/04/2008 às 19:41 | 440629 leituras

  1. Seminário sobre gestão de privilégios do Linux dá direito a certificado CPE

    Publicado em 23/05/2017 às 10:35 | 383579 leituras

  1. Novo evento "Universidade Livre" será realizado em Belém/PA em 06/05/2017

    Publicado em 28/04/2017 às 11:19 | 229238 leituras

  1. 4Linux abre vagas para Líder Técnico em São Paulo e Brasília

    Publicado em 25/07/2017 às 14:12 | 222925 leituras

  1. Lançamento da Versão 0.9.15 do Stoq, sistema de gestão comercial

    Publicado em 11/02/2011 às 16:51 | 12501 leituras

  1. FFmpeg ganha suporte à BluRay e ProRes

    Publicado em 28/05/2012 às 16:47 | 9677 leituras

  1. Gerencie seus projetos com o ProjectForge

    Publicado em 20/04/2012 às 12:00 | 10033 leituras

  1. Entrevista em vídeo com Community Manager do openSUSE

    Publicado em 12/08/2008 às 11:09 | 8358 leituras

  1. arkOS: tudo que o Google oferece, sem o Google, rodando no Raspberry Pi

    Publicado em 12/11/2013 às 16:56 | 11247 leituras

whitepapers

mais whitepapers