Entrevista


Entre o real e o virtual - entrevista com o diretor de engenharia de vendas da VMware

Esta entrevista foi visualizada 28790 vezes.

Publicado em 30/05/2011 às 12:12

Versão para impressão Enviar por email



Arlindo Maluli


Por Kemel Zaidan, editor da Linux Magazine


A relativamente recente tecnologia de virtualização já mudou bastante a realidade das empresas e o dia-a-dia dos data-centers ao redor do mundo. Mas muito mais está por vir. Novas plataformas de gestão de nuvem diputam de forma acirrada a preferência dos profissionais de TI e a liderança de um mercado promissor e em grande ebulição.


Dentro de pouco tempo poderemos ver esta tecnologia invadir o espaço do usuário ao ser adotada em dispositivos para usuários finais, como telefones celulares e tablets. Para falar dessas e outras tendências é que fomos ao encontro de nosso entrevistado para esta edição.


O administrador de empresas e engenheiro mecânico Arlindo Maluli é diretor de engenharia de vendas da VMware para a América Latina. Sua trajetória na empresa começou muito antes de entrar para o quadro funcional, quando em 2002 tornou-se um dos primeiros profissionais certificados pela VMware na América Latina. Antes de ingressar na empresa, atuou por quatro anos na Microsoft e na Compuware Corporation, até fazer parte da equipe em 2005, quando começou a dar suporte ao crescimento dos negócios na região, disseminando, vendendo, criando o ecossistema de canais e representando a VMware no mercado latino-americano. Já ocupou diversos cargos, como Field System Engineer, Channel System Engineer e Solution Architect.


Admin Magazine » Como explicar virtualização para aqueles que ainda não entenderam como ela funciona?


Maluli » A virtualização de computadores, storage, rede e segurança faz com que os recursos computacionais sejam melhor utilizados, resultando em redução significativa do custo de investimento inicial e operacional. Mas não é só isso. A virtualização também faz com que sistemas sejam recuperados em prazo recorde, a disponibilidade dos sistemas seja aumentada e os picos de demanda sejam atendidos de forma automática. Um exemplo simples é a consolidação de servidores, na qual 100 máquinas físicas podem ser transformadas em 10, sendo que cada uma destas contém 10 virtuais. Ou seja, continuamos com 100 servidores virtuais executando as mesmas tarefas que os 100 físicos originais; no entanto, agora funcionam dentro de apenas 10 máquinas físicas. Isso gera uma redução imediata dos gastos em energia elétrica, na casa dos 90%.


AM » Como está distribuído o mercado de virtualização hoje? Quem são os principais jogadores desse mercado? Qual a posição da VMware?


Maluli » A VMware é líder do mercado de virtualização, com cerca de 90% de market share. Os outros concorrentes disputam o restante do mercado, na sua maioria com distribuições de software com base em tecnologia open source.


AM » Qual a relação da VMware com o software livre? Onde o software livre se encaixa na estratégia de mercado da empresa?


Maluli » A VMware oferece uma plataforma de virtualização pronta para executar em qualquer escolha que o cliente faça com relação a hardware, sistemas operacionais, plataformas de desenvolvimento, provedores de serviço e dispositivos finais, como notebooks de qualquer fabricante, celulares e tablets. Utilizando a plataforma VMware, você pode ter storage de um fabricante, servidores de outro, rede de outro, Linux/Windows/Mac OS, Blackberry, iPad e qualquer oferta de tecnologia do mercado em todos os aspectos, seja proprietária ou livre. Além disso, a VMware se preocupa em entregar ao mercado padrões abertos como o OVF, estrutura aberta de uma máquina virtual, que permite a qualquer provedor de tecnologia ou comunidade open source desenvolver e integrar VMware a suas soluções.


AM » Quais são as novas tendências para a virtualização?


Maluli » A virtualização de toda a estrutura de TI de uma empresa é um caminho sem volta, pois com ela fazemos a mesma coisa de forma mais inteligente e barata. Segundo o IDC, o número de servidores virtuais implantados diariamente em todo mundo já é maior que o número de servidores físicos em todo o mundo desde 2010. A virtualização também é um dos adventos tecnológicos que permite ao mercado criar serviços de tecnologia sob demanda, seja software (SaaS), seja infraestrutura de TI online (IaaS) ou plataforma de desenvolvimento de aplicações web sob demanda (PaaS), conceitos estes que são genericamente chamados de Cloud Computing pelo mercado. Com o avanço que tivemos nas telecomunicações, poder de processamento, virtualização de servidores, rede, armazenamento, segurança e aplicativos modernos formam a base para a computação sob demanda.


AM » Como os dispositivos móveis influenciarão o futuro da virtualização?


Maluli » A virtualização na verdade faz parte da infraestrutura necessária para que dados sejam dinamicamente acessados de qualquer dispositivo. Todos os dispositivos móveis - não importa o formato do dispositivo físico ou sistema operacional - estão sendo beneficiados pela virtualização, como é o caso do cliente para iPad da VMware, que permite a um PC Windows virtual ser acessado remotamente pelo iPad.




VMware no iPad


Em outra frente diferente, a VMware trabalha para trazer aos dispositivos móveis o Hypervisor, uma espécie de novo sistema operacional que, ao ser instalado diretamente no dispositivo físico, permite a ele trabalhar com mais de um sistema operacional (os quais podem ser diferentes) no mesmo telefone. Isso permite que um usuário tenha em seu telefone o “perfil” pessoal e o “perfil” da empresa ao mesmo tempo, como se fossem dois telefones em um só, com as políticas de segurança necessárias. A tecnologia de virtualização de telefones celulares desenvolvida pela VMware e usada nos bastidores destes “perfis” é a mesma dos servidores e desktops, redesenhada para telefones. Na verdade, os “perfis” são máquinas virtuais.


AM » Quais são as tecnologias que estão sendo pensadas para resolver a crescente preocupação com segurança em sistemas virtualizados e na nuvem?


Maluli » A VMware trabalha fortemente para trazer ao mundo virtual as estruturas de segurança existentes no mundo físico, e as empresas especializadas em segurança fazem o resto. No mundo físico, temos paredes e utilizamos portas como ferramentas para controlar o fluxo de entrada e saída de pessoas. Nele, a chave e com quem ela fica são fatores importantes para determinar a dinâmica deste fluxo. A VMware trabalha para que no mundo virtual existam paredes e portas e para que estas não sejam transponíveis com qualquer truque. Quem fica com a chave, fica a cargo das políticas de segurança da empresa e de seus prestadores de serviço. Esse conjunto de fatores faz com que os ambientes virtualizados sejam ainda mais seguros do que os físicos, pois o gerenciamento de paredes e portas virtuais é mais eficiente, além delas poderem viajar junto com suas máquinas virtuais quando estas são transferidas para servidores físicos diferentes ou até datacenters diferentes. Essa transferência de ambientes virtualizados completos, com máquinas virtuais, redes virtuais, firewalls virtuais, entre outros, é fundamental para que serviços de cloud sejam colocados no ar e a segurança seja mantida.


AM » Como o VMware tira proveito das recentes tecnologias de virtualização por hardware, como o Intel VT e o AMD-V? Quais serão as novidades nessa área?


Maluli » A VMware influenciou tanto a Intel quanto a AMD a trazer para o hardware técnicas de virtualização para reduzir a overhead (recursos de CPU e memória utilizados pelo sistema de virtualização) ainda no início da virtualização de computadores x86, próximo ao ano 2000. Hoje, a VMware utiliza ao máximo todos os recursos de virtualização no hardware, formando sistemas otimizados com Hypervisor (sistema de virtualização). Esse é o conjunto mais eficiente. Se o cliente trabalhar com hardware que não tem apoio à virtualização no dispositivo físico, o sistema da VMware funcionará mesmo assim.


AM » Algumas pessoas acham que a virtualização é a solução para a pressão por economia de energia e recursos ambientais. Você concorda com essa afirmação?


Maluli » Concordo. Uma das fundadoras e ex-presidente da VMware, Diane Green, é também uma das fundadoras do The Green IT, organização não governamental que dita as melhores práticas para a criação de datacenters verdes. Antes, vimos um simples exemplo de consolidação de servidores, no qual a redução de consumo de energia chega a 90%. Existem companhias americanas de distribuição de energia, como a PG&E, que pagam para seus clientes virtualizarem seus datacenters, pois a redução de gás carbônico na atmosfera reduz significativamente a cada watt não consumido - além de reduzir ou pelo menos atrasar a necessidade de construção de novas usinas.


AM » Da mesma forma, há previsões de que o déficit de mão de obra na área de TI pode ser parcialmente contornado com a adoção de tecnologias de virtualização, mas, ao mesmo tempo, não é necessário cada vez mais profissionais para monitorar e administrar esses sistemas?


Maluli » Boa pergunta. Concordo com a sua afirmação, mas não só a virtualização. A rápida adoção do mercado por aplicativos no modelo “software as a service” está fazendo com que a mão de obra de TI sofra mudanças. Acredito que, cada vez mais, profissionais conhecedores de ferramentas de gerenciamento de ambientes virtualizados vão ganhar espaço no mercado, pois a porcentagem de sistemas virtualizados é cada vez maior dentro dos datacenters e em breve será total, como em alguns clientes atuais. Por outro lado, gerentes de TI responsáveis pelos times que dão manutenção nesses sistemas físicos ou virtuais podem passar a gerenciar contratos ao invés de gerenciar times, pois alguns aplicativos já estão sendo comprados de provedores externos e acessados remotamente pela internet pelos funcionários da empresa (SaaS). Nesse caso, a mudança no perfil do gerente é significativa, pois as capacitações de um gerente de time de manutenção de TI é bem diferente das de um gestor de contratos. Fiquem de olho. Nos próximos anos vamos ver uma grande mudança nas funções dos profissionais de TI. Quem conseguir entender melhor o negócio da sua empresa terá mais destaque, como vem acontecendo em cargos de diretoria. Mas agora essas capacidades serão exigidas dos gerentes e até dos operadores.


AM » Quais são as perspectivas profissionais para quem quer se especializar em virtualização? Há certificações disponíveis? Quais são elas?


Maluli » Há uma série de certificações disponíveis, de diferentes níveis, como a VCP (VMware Certified Professional), a mais básica, mas ao mesmo tempo, suficiente para formar um operador de um ambiente virtualizado. Os outros níveis podem ser conseguidos por meio de cursos e certificações avançadas que estão disponíveis nos VATCs (Centros de Treinamento Autorizados VMWare) nos EUA. No Brasil, também existem VATCs com uma oferta muito boa de cursos e certificações.




VMware no smartphone


AM » Qual o interesse da empresa na recente aquisição do Zimbra? Como o Zimbra se encaixa nessa estratégia?


Maluli » A VMware está investindo na experiência do usuário final, adequando-se aos novos dispositivos como iPad, por meio da virtualização de celulares com desktops virtuais, virtualização de aplicativos com o ThinApp, e, além disso, vem comprando soluções para o usuário final, como é o caso da plataforma de correio e colaboração Zimbra. Outra aquisição recente foi a SlideRocket, uma nova proposta online e colaborativa de criação de slides e apresentações.


AM » Quais são os futuros lançamentos e tecnologias que estão no horizonte da VMware?


Maluli » A VMware investe muito na sua plataforma de desenvolvimento Java - Spring Source - e na experiência do usuário final, como falamos. Ela continua investindo significativamente no avanço da plataforma de virtualização. Nessa área, o mercado pode esperar ferramentas avançadas de gerenciamento de um ambiente virtualizado, ferramentas de gerenciamento de ofertas de Cloud Computing, portfólio de oferta de serviços sob demanda para a nuvem privada, além de avanço na automação, disponibilidade, capacidade de escala e segurança do ambiente.


Comentários

lançamento!

LM 119 | Backup e Restauração




Impressa esgotada
Comprar Digital  R$ 10,90 Digital

  1. Soluti Certificação Digital em busca de especialista Linux

    Publicado em 19/04/2017 às 17:18 | 540110 leituras

  1. Seminário sobre gestão de privilégios do Linux dá direito a certificado CPE

    Publicado em 23/05/2017 às 10:35 | 457139 leituras

  1. Baixe o curso de shell script do Julio Cezar Neves

    Publicado em 07/04/2008 às 19:41 | 443508 leituras

  1. 4Linux abre vagas para Líder Técnico em São Paulo e Brasília

    Publicado em 25/07/2017 às 14:12 | 297732 leituras

  1. Novo evento "Universidade Livre" será realizado em Belém/PA em 06/05/2017

    Publicado em 28/04/2017 às 11:19 | 266729 leituras

  1. Netflix libera seu balanceador de carga

    Publicado em 06/09/2012 às 11:10 | 11766 leituras

  1. Diretor da Linux Foundation prevê que hardware será gratuito em alguns anos

    Publicado em 31/08/2010 às 14:10 | 8335 leituras

  1. É um grande momento para aprender Linux: Mais Linux, significa mais dinheiro

    Publicado em 08/02/2013 às 12:55 | 19683 leituras

  1. Amazon Web Services anuncia loja online de aplicativos no Brasil

    Publicado em 23/04/2012 às 17:58 | 12117 leituras

  1. Cisco Visual Networking Index prevê que o tráfego de dados móveis globais cresça

    Publicado em 01/02/2011 às 17:46 | 8812 leituras

whitepapers

mais whitepapers