Cloud Corporation e a TI baseada em cloud

Publicado em 01/04/2014 às 17:33 | 11805 leituras

Em 2009, quando escrevi meu livro de Computação em Nuvem, o tema ainda era tratado como curiosidade. Hoje, cinco anos depois, cloud é irreversível e, em breve, nem mais falaremos em Cloud Computing e sim apenas em computing, pois cloud será o nosso modelo mental de pensar na aquisição e uso de tecnologia.


Versão para impressão Enviar por email


por Cezar Taurion


Em 2009, quando escrevi meu livro de Computação em Nuvem, o tema ainda era tratado como curiosidade. Hoje, cinco anos depois, cloud é irreversível e, em breve, nem mais falaremos em Cloud Computing e sim apenas em computing, pois cloud será o nosso modelo mental de pensar na aquisição e uso de tecnologia.


O impacto da nuvem vai muito além de efeitos limitados de redução de custos no uso de infraestrutura de TI, mas vai afetar – aliás, já está transformando – a própria indústria de TI e os setores de TI das empresas. Está, na verdade, redesenhando a economia do setor de TI e seus modelos de negócio, tirando a indústria de sua zona de conforto e a sacudindo de forma drástica. Produtos e serviços que antes geravam boas margens, como hardware e softwares vendidos no modelo on-premise, estão desaparecendo. Novos entrantes surgem e empresas já existentes estão se transformando para se posicionarem neste novo cenário. Um exemplo claro foi a recente venda da divisão de servidores de base Intel da IBM para a chinesa Lenovo.


É um contexto diferente do que vivenciamos nas últimas décadas. Cloud permite uma interação direta entre os usuários e as ofertas de serviços de tecnologia, sem passar por intermediários como o setor de TI. A função TI tradicional (cuidar de infraestrutura) perde sua importância e o que chamamos de setor de TI é obrigado a se reinventar, deslocando seu foco e capacitação para atuar como um advisor de tecnologia. O negócio, por sua vez, torna-se mais e mais entranhado de tecnologia, em seus processos e produtos. As empresas, qualquer que seja seu setor, tornam-se digitais.


Os sintomas destas mudanças estão claros. Se olharmos o setor de hardware vemos que as margens reduzem-se a cada dia. As vendas de infraestrutura deslocam-se dos servidores físicos para servidores virtuais, disponibilizados em provedores de nuvens. No software, a maioria das empresas obtém sua rentabilidade dos contratos de manutenção, não de novas licenças. Além disso, observamos frequentemente o fenômeno do “excesso de capacidade” que é um software oferecer mais funcionalidades (e, naturalmente mais complexidade) que a maioria dos usuários precisa. Portanto, o modelo atual sinaliza claramente que está no seu limite e precisa ser redesenhado, para que a indústria continue saudável.


A transformação da indústria de TI passa por uma mudança radical em seus modelos de negócio. O modelo atual baseia-se no princípio da venda de licenças de cópias de software que são instalados e operados nos computadores do próprio cliente. Tem algumas características interessantes: primeiro, supondo, por exemplo, um software sendo usado por quatro a cinco anos, cerca de 70% dos gastos com licença e serviços correlacionados são efetuados no primeiro ano, na sua fase de implementação e integração.


Portanto, grande parte dos gastos são feitos “up-front”, ou seja, antes que a empresa comece a obter os ganhos pretendidos com sua aquisição deste software. Este modelo implica que o fornecedor do software garanta que seus investimentos em desenvolvimento, marketing e esforço de vendas, além da sua margem de lucro seja recompensado pela venda. Pelo grande esforço de colocar o produto em operação e pelas características operacionais únicas, cria-se o fenômeno do aprisionamento, com os custos de troca tornando-se tão altos que inviabiliza sua ideia. Um exemplo, quantas empresas trocam de softwares de banco de dados?


Segunda característica é que, a partir do momento em que o software está implementado, o risco de sua boa ou má utilização é de total responsabilidade do cliente. Na prática, ele assume todo o risco, uma vez que se o software não atender suas necessidades, por ter sido mal selecionado ou por uma operação defeituosa, a empresa usuária não se beneficia dos ganhos esperados.


De modo pragmático, se o software está sendo bem usado ou não após sua compra não afeta os resultados financeiros do fornecedor, pois a maior parte dos ganhos possíveis com a venda já entrou no seu caixa. O fornecedor, claro, tem todo o interesse que o software seja bem usado, até por questões de referências positivas, que facilitam vendas futuras a outros clientes. Mas não é de sua responsabilidade fazer com que a empresa mude seus processos para que o software seja plenamente aproveitado. Esta responsabilidade é do próprio usuário.


Este modelo funcionou por várias décadas. Mas, começou a entrar em colapso. Por quê? Em minha opinião, temos a crise econômica de 2008, que obrigou as empresas a serem mais seletivas e mais conservadoras em seus gastos. Onde pudessem diminuir custos, diminuíam. Menos gente para operar as empresas. Pressões em cima dos fornecedores para reduzirem seus preços…


Também vimos o nascimento do fenômeno da consumerização, com smartphones como iPhone e tablets como iPad e todo o mundo das apps, que mostraram que é perfeitamente possível termos softwares de fácil uso, intuitivos, com a complexidade escondida do seus usuários. Muitos deles grátis ou a preços muito menores que a indústria de software habitualmente vinha praticando.


E, claro, outro fator importante é o conceito de computação em nuvem, já explorado pelas empresas que nasceram na Internet e que viram que poderia ser aplicado a qulquer outra empresa. Juntando tudo isso, descobrimos que era possível um novo modelo de negócios para aquisição e consumo de recursos de TI.


Cloud propõe a troca do Capex e seus investimentos upfront pelo gasto por consumo, ou Opex. Muito mais palatável a um cenário econômico problemático.


A mudança começou, então, por pressão do próprio mercado. Algumas empresas pioneiras mostraram que era viável usar o conceito, como a Salesforce e a Amazon.


Cloud é um contexto diferente. O risco da aquisição se desloca do usuário para o fornecedor. Ele tem que manter o usuário satisfeito usando seu software dia após dia. Problemas de performance, sistema fora do ar… Tudo isso passa para a empresa que fornece os serviços de TI. Ela não está mais fora do problema, e sim passa a ser a responsável.


Com isso, toda a cadeia de valor da indústria se redesenha. Empresas que atuam como meras intermediárias perdem seu espaço. Com hardware concentrado nos provedores, as vendas destas máquinas passam a ser em grande volume, direto aos provedores, dispensando os intermediários que vendiam pequenos volumes a empresas de médio a pequeno porte. As empresas usuárias deixam de comprar servidores físicos e passam a comprar servidores virtuais. No software também ocorre a desintermediação. Com softwares rodando diretamente a partir dos data centers dos fornecedores, para que intermediários?


A indústria tem que se redesenhar. Ao invés de capturar a maior parte do valor na venda, a receita passa a ser distribuída pelos anos em que o cliente usa o software. E quanto mais consumir, mais paga. O fornecedor passa a ter um interesse muito maior em fazer com que o usuário aproveite todo o potencial de funcionalidades do software. E adquira novas funcionalidades. Além disso, o conceito de aplicativos cria um novo patamar de preços. Torna-se difícil explicar a venda de um software de milhões de dólares.


Claro que continuarão existindo casos específicos, mas na maioria dos exemplos veremos muita dificuldade em explicar ao CFO por que pagar dezenas de milhares de dólares por um software de e-mail se posso obtê-lo praticamente de graça na nuvem? Por que pagar por uma planilha caríssima se posso fazer o download de uma, muito mais intuitiva e simples de usar, por US$ 0,99? Esta tendência vai se espalhar pelos softwares corporativos. Por que pagar centenas de milhares de dólares por um ERP, CRM ou sistema de RH se posso optar por uma alternativa em nuvem, a um preço muito inferior? E sem necessidade de comprar toda uma parafernália de hardware e softwares (middleware) adicionais?


A indústria de software corporativo vai adotar alguns modelos já conhecidos dos apps, como o freemium, onde uma versão com menos funcionalidades é liberada gratuitamente, para chamar atenção que funcionalidades adicionais serão pagas. É uma mudança radical nos modelos atuais de receita.


A TI dos próximos anos será uma TI baseada em cloud. Infraestrutura cada vez mais se deslocando para provedores de nuvem. Softwares intuitivos e de fácil uso sem upgrades, como as que vemos hoje, com ciclos de versões que mudam a cada 3 ou 4 anos que exigem quase que uma nova e cara re-implementação. As modificações passam a ser constantes e feitas nos próprios data centers dos fornecedores, passando, em alguns casos, até despercebida dos usuários.


A cadeia de valor muda radicalmente. Intermediários que não agregam valor desaparecem. Por outro lado, surgem oportunidades novas, para agregadores de valor, cada vez mais concentrados em serviços e consultorias. Com tecnologias de desenvolvimento em nuvem e sem necessidade de investimentos em hardware, a indústria de software corporativa tende a florescer em inovação. Veremos no mundo corporativo inovações que antes estavam restritas ao mundo das apps orientadas aos usuários finais.


As vendas passam a ser feitas não apenas para os CIOs, que perdem a exclusividade da escolha e entrega da tecnologia à empresa, mas para os usuários diretamente. Os CIOs e sua equipe tornam-se advisors e brokers, gerenciando processos de escolha de soluções em nuvem. É um outro jogo.


Esta transformação, ou seja, o conceito de uma “cloud corporation”, onde TI é baseada em cloud, já está começando a ocorrer. Mas, não é um processo big bang.


Acredito que possamos adotar a famosa regra de 10/10 para tecnologias de ruptura. 10/10 significa cerca de dez anos para desenvolver o conjunto de tecnologias em todos seus aspectos, que inclui tecnologias diretas, como as que melhoram segurança neste novo cenário, e indiretas, como maior capacidade de banda larga, e outros dez anos para serem implementadas, aceitas, institucionalizadas e exploradas em sua potencialidade. Quando então torna-se o modelo mental de pensar tecnologia. Estamos no início da curva de aprendizado.


A corporação operando em nuvem vai se tornar realidade. Quando? Um chute: no final desta ou início da próxima década…


Fonte: IDGNow

Comentários


Outras notícias

Livro sobre Métodos Ágeis disponibilizado livremente

Publicado em: 14/02/2019 às 15:20 | leituras |

"Scrum - Projetos Ágeis e Pessoas Felizes", de autoria de Cesar Brod, disponibilizado de forma livre (Creative Commons) para download e consulta.

Papo de SysAdmin vai lançar Club DevOps

Publicado em: 19/01/2019 às 17:53 | leituras |

Plataforma deverá ser ambiente para reciclagem e capacitação em tecnologias DevOps.

Assespro-PR é o mais novo parceiro de canal do LPI no Brasil

Publicado em: 18/12/2018 às 11:10 | leituras |

A Assespro-PR — Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação —, e o Linux Professional Institute – LPI, firmaram uma parceria que deverá beneficiar as empresas associadas à Assespro-PR, bem como contribuir para a profissionalização do mercado de Software Livre e de Código Aberto no Paraná.

Linux Developer Conference Brazil: faltam poucos dias!

Publicado em: 14/08/2018 às 11:57 | leituras |

Evento será realizado nas dependências da UNICAMP, em Campinas, nos dias 25 e 26 de agosto.

Leitor da Linux Magazine paga meia para entrar no FISL18

Publicado em: 06/07/2018 às 21:05 | leituras |

Parceria entre a ASL.org e a Linux Magazine disponibiliza código promocional que fornece 50% de desconto na inscrição para o FISL18.

DevOpsDays chega a Maringá pela primeira vez

Publicado em: 20/03/2018 às 18:25 | leituras |

O DevOpsDays terá sua sétima edição no Brasil sendo sediada na cidade de Maringá, no Paraná, dias 23 e 24 de março, no Sebrae. O evento acontece em mais de 40 países e nele foi criado o termo "DevOps" (em 2009, na cidade de Gante - Bélgica).

SENAI/Fatesg promove segundo Meeting Hacker Senai

Publicado em: 18/02/2018 às 12:47 | leituras |

No dia 24/02/2018 a partir das 8:00h, o SENAI/Fatesg realizará o segundo Meeting Hacker Senai, com a participação do LPI, da Infomach e da Barketilly.

Certificações LPI: o caminho para turbinar a sua carreira

Publicado em: 13/10/2017 às 15:50 | leituras |

O Linux Professional Institute (LPI) oferecerá provas de certificação na Latinoware, em Foz do Iguaçu, em outubro, na Poticon, em Natal e no FGSL em novembro. Fique antenado! Este artigo elenca as últimas novidades sobre o LPI.

Blog do maddog: Ambientes de nuvem privada virtual

Publicado em: 06/10/2017 às 14:09 | leituras |

O Subutai é uma solução de nuvem de código aberto, ponto a ponto (P2P), segura e estável, que cria ambientes de nuvem privada virtual (VPC) para usuários finais usando um modelo de nuvem de contêineres como serviço (CaaS). O usuário final pode instalar qualquer tipo de serviço, aplicativo ou software de infraestrutura que desejar nas máquinas em execução nessa nuvem.

Ambientes de nuvem privada virtual

Publicado em: 06/10/2017 às 13:23 | leituras |

O Subutai é uma solução de nuvem de código aberto, ponto a ponto (P2P), segura e estável, que cria ambientes de nuvem privada virtual (VPC) para usuários finais usando um modelo de nuvem de contêineres como serviço (CaaS). O usuário final pode instalar qualquer tipo de serviço, aplicativo ou software de infraestrutura que desejar nas máquinas em execução nessa nuvem.

4Linux abre vagas para Líder Técnico em São Paulo e Brasília

Publicado em: 25/07/2017 às 14:12 | leituras |

A 4Linux — uma empresa líder em soluções Open Source e em práticas DevOps — está procurando profissionais para trabalhar como gerente técnico, que tenha bons conhecimentos em Linux e Softwares Livres. São duas vagas: uma para trabalhar em Brasília e outra para São Paulo.

Seminário sobre gestão de privilégios do Linux dá direito a certificado CPE

Publicado em: 23/05/2017 às 10:35 | leituras |

O evento irá abordar a forte disseminação de sistemas Linux em toda a estrutura de informação e mostrará a importância de técnicos da área serem capazes de identificar rotas, especificar controles de acesso para usuários Linux e monitorar a atividade privilegiada do usuário ao longo da rede de informação e, especialmente, na complexidade da nuvem. Participantes poderão requerer gratuitamente os créditos de CPE (Continuing Professional Education).

Novas vagas para os minicursos do WikiLab

Publicado em: 16/05/2017 às 11:59 | leituras |

Novas vagas abertas para os minicursos do WikiLab. Todos que já apoiaram ou apoiarem o projeto WikiLab no Catarse (com qualquer valor) podem participar.

Novo evento "Universidade Livre" será realizado em Belém/PA em 06/05/2017

Publicado em: 28/04/2017 às 11:19 | leituras |

Novo evento sobre Software Livre será realizado no Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM).

Soluti Certificação Digital em busca de especialista Linux

Publicado em: 19/04/2017 às 17:18 | leituras |

A Soluti Certificação Digital está em busca de um profissional para atuar como especialista Linux em Goiânia.

Vaga para analista de TI com experiência em ECM/GED, BPM e BI

Publicado em: 16/12/2016 às 11:12 | leituras |

Renomada empresa de serviços de consultoria em TI, está em busca de um analista de TI para trabalhar em projetos de implementação de soluções ECM/GED, BPM e BI usando os sistemas Alfresco, Activiti, Bonita, Camunda e SpagoBI.

Nova versão do Scalix Groupware oferece suporte completo a IBM Power & IBM Mainframes

Publicado em: 14/12/2016 às 12:59 | leituras |

A nova versão dá liberdade de escolha às empresas para usar as tecnologias mais modernas oferecidas pelo mercado como base para sua solução de e-mail e colaboração

Software Livre e de Código Aberto: uma questão de economia, não de política

Publicado em: 12/11/2016 às 12:36 | leituras |

Os argumentos apresentados neste artigo são todos aspectos econômicos, e não aspectos políticos. Decisões baseadas em política (e não em economia) devem ser lembradas pelos eleitores nas próximas eleições.

Lançamento: E-book E-mail e Colaboração no Século XXI (grátis)

Publicado em: 29/09/2016 às 9:15 | leituras |

A Linux Magazine, em parceria com a Scalix Brasil e a Linux Solutions, acaba de lançar o novo ebook da série "Technology Report": E-mail e Colaboração no Século XXI. Baixe gratuitamente!

Oportunidade na 4Linux - Vaga para Brasília

Publicado em: 25/08/2016 às 9:58 | leituras |

A 4Linux, empresa de consultoria e treinamento especializada em tecnologia Open Source, está em busca de um profissional com o perfil de analista de infraestrutura Linux pleno, para atuar em Brasília.

Lançamento: E-book 101 dicas para usar o Linux como um Profissional (grátis)

Publicado em: 01/08/2016 às 8:19 | leituras |

Baixe gratuitamente o e-book "101 dicas para usar o Linux como um Profissional", contendo os principais conselhos para não se apertar no seu trabalho ao usar e configurar o sistema do pinguim.

Sicoob adota soluções de código aberto e triplica rede de associados

Publicado em: 19/07/2016 às 12:22 | leituras |

A partir do projeto, a empresa pôde substituir mais de 500 servidores físicos de pequeno porte, consolidando todas as transações em três mainframes e 15 máquinas Intel de alto desempenho (high end).

BrodTec é a nova revenda Scalix na Região Sul

Publicado em: 30/03/2016 às 11:20 | leituras |

No mês de março, a Scalix firmou parceria com a BrodTec para que a empresa seja o seu represente oficial no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina.

Linux Professional Institute anuncia seu novo Diretor de Desenvolvimento Regional para o Brasil

Publicado em: 21/03/2016 às 18:51 | leituras |

Há muito tempo incentivando softwares livres e de código aberto, Cesar Brod é, agora, o responsável do instituto para ampliar a formação e certificação em Linux no Brasil.

ASL.Org lança campanha de doação para realizar o FISL17

Publicado em: 05/02/2016 às 21:20 | leituras |

A Associação Software Livre (ASL.Org) iniciou nesta quinta-feira (4) uma campanha de arrecadação de fundos para a continuidade de seus trabalhos, entre eles a organização da 17ª edição do Fórum Internacional Software Livre (FISL17), que acontece de 13 a 16 de julho em Porto Alegre.


Mais notícias


lançamento!

LM 119 | Backup e Restauração




Impressa esgotada
Comprar Digital  R$ 10,90 Digital

  1. Soluti Certificação Digital em busca de especialista Linux

    Publicado em 19/04/2017 às 17:18 | 618063 leituras

  1. Seminário sobre gestão de privilégios do Linux dá direito a certificado CPE

    Publicado em 23/05/2017 às 10:35 | 535318 leituras

  1. Baixe o curso de shell script do Julio Cezar Neves

    Publicado em 07/04/2008 às 19:41 | 515945 leituras

  1. 4Linux abre vagas para Líder Técnico em São Paulo e Brasília

    Publicado em 25/07/2017 às 14:12 | 381598 leituras

  1. Novo evento "Universidade Livre" será realizado em Belém/PA em 06/05/2017

    Publicado em 28/04/2017 às 11:19 | 325217 leituras

  1. Novo exploit para falha recente no Internet Explorer

    Publicado em 08/01/2013 às 12:04 | 15398 leituras

  1. Street View na Amazônia

    Publicado em 19/08/2011 às 13:09 | 14806 leituras

  1. Sony apresenta televisor compatível com a Google TV

    Publicado em 13/10/2010 às 19:05 | 12700 leituras

  1. LG planeja lançar tablet com Android ainda este ano

    Publicado em 05/07/2010 às 13:35 | 15113 leituras

  1. Google fecha seu projeto Labs

    Publicado em 21/07/2011 às 17:41 | 14803 leituras

whitepapers

mais whitepapers